quarta-feira, 9 de março de 2011

Família Imperial do Brasil

Família Imperial do Brasil: Passado e Presente, um símbolo da história


O Brasil é um país que conta com uma grande história, mais do que muitos grandes países por aí fora. Mas o povo brasileiro não dá valor a essa história, prendendo-se apenas alguns personagens como Tiradentes e Pedro Álvares Cabral. Por exemplo, não são todos que sabem que durante o período Napoleônico, a família real portuguesa abandonou Lisboa e veio para o Rio de Janeiro, estabelecendo aqui, na Cidade Maravilhosa, a capital de um reino europeu, onde o Rio se tornou a primeira e única cidade das Américas a ser vista como uma cidade europeia.

Todos também conhecem a família imperial, principalmente o imperador carioca D. Pedro II. Todos conhecem também a famosa carioca Princesa Isabel e o seu marido francês Conde D'Eu. Mas poucos sabem o que aconteceu com eles após a Proclamação da República.

Antes de entrar nesse assunto, falarei um pouco sobre Pedro II. Antes de ser coroado rei já aconteciam algumas rebeliões políticas no Rio de Janeiro, já que o povo carioca não aceitava o caos político desde essa época. O país estava sem rei – e você já pode imaginar a confusão - e o príncipe regente ainda era menor de idade, apesar de ter sido muito bem educado. Mas um grupo da sociedade pedia a coroação de Pedro, conseguindo sucesso. Com isso o príncipe carioca foi coroado imperador.

O seu governo não teve tantas guerras como os seus antecessores e sucessores, durante esse período correu a primeira locomotiva a vapor, foram aberta as primeiras estradas, houve muitos investimentos em cultura, a inauguração do telefone no Brasil, a criação do selo postal, entre outras coisas.

Durante o seu governo houve mais investimentos em educação e cultura do que nos últimos anos com Lula e FHC. Durante o seu "tempo" surgiram grandes artistas que conseguiram fama em todo o mundo, um deles é Machado de Assis.

Houve também muitos investimentos em ciências, fato que até hoje no Museu da Quinta da Boa Vista conta com uma das múmias mais impressionantes e raras do mundo, já que essa foi uma das poucas múmias que tiveram até mesmo os dedos enfaixados separadamente. Pedro II esteve na ocasião que Alexander Graham Bell demonstrou a sua nova invenção: o telefone. E por isso ele foi o primeiro brasileiro a usar o telefone usando a frase: "Ser Ou não ser" do célebre Shakespare.

D. Pedro II foi o primeiro a patrocinar as pesquisas do famoso cientista francês Louis Pasteur. Pedro convidou o francês a morar no Brasil, mas na época ele recusou. O imperador carioca também ficou famoso em visitar as ruínas de Tróia e as pirâmides do Egito.

Ele também foi amigo de Schliemann, Mariette, Charcot e Barão de Mauá. Ele foi o pai da Floresta da Tijuca. E também financiou a primeira expedição brasileira à Antártida. Um dos maiores historiadores do Brasil, José Murilo de Carvalho, declarou que o Brasil nunca teve tanta liberdade de expressão como durante essa época. Vale lembrar que Carvalho foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras em 2004.

A Filha de D. Pedro II, a princesa Isabel, ficou famosa por ter assinado a abolição da escravatura e alguns negros se tornaram grandes intelectuais da corte, lembrados até hoje. Mas o brasileiro achava pouco e queria mais direitos (diferente de hoje). Começou então rebeliões para o fim da Monarquia e o início da Democracia.

Alguns que lutaram pela Proclamação respeitarem a D. Pedro e eram de sua confiança, mas eles não esperaram nem por sua morte (aproveitando-se de sua velhice) e deram um golpe, instaurando-se assim a República, enquanto o imperador estava em Petrópolis. Ao saber do golpe, o imperador respondeu:
"Se assim for, será a minha aposentadoria. Já trabalhei muito e estou cansado. Irei então descansar"
Historiadores afirmam que os republicanos não tiveram nem a coragem de olhar nos olhos dele já que os respeitavam, enviando assim "subalternos para se comunicarem com Pedro II". A família assim foi exilada para Portugal e morreu na França.

Depois da morte do grande imperador, os brasileiros entraram em luto, mesmo com o Governo tendo sido contra ao ponto de ter enviado policiais para impedir que comércios fossem fechados ou homenagens. O Jornal The New York Times escreveu uma reportagem que dizia que Pedro II era "o mais ilustrado monarca do século". Já o The Globe afirmou que ele "era culto, ele era patriota; era gentil e indulgente; tinha todas as virtudes privadas, bem como as públicas, e morreu no exílio". Os brasileiros os exilaram porque queriam um país para todos, mas hoje vemos, em pleno século XXI, que entregarmos o país aos bandidos e uma nova capital que simboliza a maior corrupção do planeta.

A princesa Isabel também teve filhos. E seus netos vivem até hoje. Anos depois o Governo Federal decidiu acabar com o exílio. Os corpos da antiga família real se encontram em Petrópolis até hoje.

Não estou escrevendo que D. Pedro II era o dono da razão, apenas fiz um pequeno histórico antes de começar a reportagem em si.

Abaixo estão algumas informações e fotos dos atuais membros da Família Imperial do Brasil:

O primeiro a ser apresentado é Dom Luiz Gastão Maria José Pio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança e Wittelsbach. Nascido na França, estudou no Colégio Santo Inácio, localizado em Botafogo (Zona Sul do Rio de Janeiro) e formado Química na Universidade de Munique, por isso ele fala fluentemente português, francês e alemão. Se existisse ainda a monarquia no Brasil, ele seria o Imperador do Brasil.


O segundo na sucessão do trono é o seu irmão, Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança e Wittelsbach, Príncipe Imperial do Brasil, também nascido na França, morando atualmente em São Paulo.


O terceiro na sucessão é o seu também irmão, Antônio João Maria José Jorge Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleáns e Bragança e Wittelsbach carioca, nascido em 1950. Ele é sobrinho da princesa Eleonora da Baviera. ELe é o atual chefe da casa imperial .


O quarto na sucessão seria o filho mais velho de Dom Antônio, Pedro Luís Maria José Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança e Ligne, que nasceu no Rio de Janeiro em 1983 e faleceu no terrível - e famoso - acidente aéreo do voo do Air France 447.


O atual quarto na sucessão é o filho mais novo de Dom Antônio, Dom Rafael Antônio de Orléans Bragança e Ligne, também carioca, nascido em 1986. Ele mora no Rio de Janeiro e estuda Engenharia de Produção na PUC-RIO. Atualmente tem o cargo de principe do Brasil.


E a quinta na sucessão é a irmã mais velha de Dom Rafael, Amélia Maria de Orléans e Bragança e Ligne, nascida na Bélgica em 1984.


Agora conhecemos um pouco mais da história do Brasil, seja aqueles que admiram a história da Monarquia do Brasil, como aqueles que acham uma palhaçada um tipo de reportagem sobre esse assunto. Lembrando que essa é apenas um POST, em nenhum momento eu quero iniciar uma manifestação pelo fim da República, mas não podemos esquecer da Grande Monarquia das Américas.

Texto escrito e postado por Rafael Oliveira, 09 de Março de 2011
Foto: Museu Nacional, zona oeste do Rio de Janeiro

Um comentário:

  1. Gostei muito de seu Post.. olha francamente eu gostaria que a monarquia nunca tivesse levado um golpe de estado. Gostaria q continuasse, mas nem tudo é perfeito. Imagino que seríamos muito diferentes do que somos hoje!! Achei boa a sua explanação, pois vendo o seu orkut, imagino q sejas ate mais novo do q eu (tenho 22) e nunca vi alguem de minha idade ou mais novo, se interessar por este assunto.. Parabens pelo Blog

    ResponderExcluir

Clique aqui para deixar um comentário. Caso você não tiver uma conta Google, assine o seu nome abaixo.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta o nosso site com o facebook e Google+